terça-feira, 14 de abril de 2009

scatterbrain



























O futuro do passado trouxe alguma evolução nas técnicas utilizadas para conhecer o resultado da experiência sem ter que sujeitar a própria pele ao natural processo da imprevisibilidade.

A supervisão da ética social induziu a experimentação mais ou menos cientifica a encontrar alternativas à espécie humana como cobaia.
Esse mesmo processo civilizacional viria ainda a substituir os primos primatas por outros mamíferos mais ou menos domésticos até se fixar numa especifica espécie maldita de roedores.

No entanto, a coragem desenvolvida na intensidade das curiosidade e vontade insuportáveis, permanece em mentes socialmente desadaptadas e inconformadas.
Será da natureza humana rejeitar o conformismo de não querer o poder que lhes está proibido?
De herói a louco vai pouco.
O sentido de oportunidade comercial percebeu sempre o potencial de negócio dos sonhos.
E cerca-nos e afoga-nos de simuladores, simulações e de meios ao transporte da nossa mente.

Onde (sobre)vive o sonho de querer voar com asas, penas e bico(?),
sem motores, sem actores, sem cenários, sem duplos,
sem rede,
conduzido apenas pelo olfacto dos olhos de carne de sangue.

De louco a herói vai muito.


Radiohead - Skttrbrain - Four Tet

10 comentários:

Arabica disse...

Será da natureza humana aceitar a audácia de querer o poder que lhe é dado (através do cérebro)?

Ou terá medo?
Ou sentindo-se demasiado cansado, prferiá comprar um sonho, pago em suaves prestações de alienação?



bom apetite, para ti também.

Arabica disse...

errata: preferirá

rosa disse...

ó zé, estes rabiscos sao de vossa autoria?

rosa disse...

gostei bastante deste post.

musica, rabiscos.

um cerebro a martelar ideias.

Arabica disse...

Zé, deixei-te um mimo no meu blog.

:)

sem nata, juro.

C. disse...

Gosto muito das músicas que coloca nas postagens...

ze disse...

Arábica,

Na natureza humana há de quase tudo!
Opostos, inclusivé.
Em indivíduos diferentes, mas também no mesmo,
E nestes por vezes em simultâneo provocando conflitos internos, com decisão ou acção, ou sem ela.

De qualquer forma ao escrever o post estava a lembrar-me de registos de imagem que mostram aqueles "doidinhos" que construíam máquinas de voar inspiradas nos desenhos do Leonardo da Vinci,
lançando-se do telhado agarrados a estruturas de madeira e penas.

ze disse...

Rosa,

É tudo da minha autoria, com excepção da música. . :)
Ainda em que gostaste.
Espero que o martelo esteja a construir e não a destruir (as minhas ideias),
Porque é uma ferramenta com essa versatilidade.

ze disse...

Arábica,

Agradeço o selo,
mas passado este tempo todo já deves ter percebido que não soube dar-lhe uso.
Espero que com o tempo também mo perdoes.
:)

ze disse...

Cris,

Ainda bem que gostaste,
Os Radiohead é o meu grupo de música preferido.

Beijos para Wiena